segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Sobre sexo

Enquanto a maioria das espécies animais do planeta usam o ato sexual somente para a procriação, a espécie humana talvez seja a única na qual sexo é prazer, esporte e obsessão. Juntamente com o dinheiro, a fome e o desejo pelo poder, o sexo é uma força primária de motivação.

Muitas mudanças têm ocorridas sob o ponto de vista sexual nos últimos 30 anos e com os perigos das doenças sexualmente transmissíveis, especialmente a AIDS, o ser humano vem se tornando cada vez mais monogâmico e. quando teria tudo para estar satisfeito em seus relacionamentos, a humanidade nas últimas décadas vem cada dia mais, apresentando como num crescente, queixas de falta de interesse sexual.

O stress e a nutrição são importantes fatores na vitalidade sexual, sendo o stress, particularmente o stress mental na forma de preocupação, trabalho em excesso e problemas financeiros podem interferir com a energia sexual e sua expressão na forma de desejo. Por outro lado, os problemas sexuais podem ser a fonte de ansiedade e infelicidade.

O que é NORMAL em sexo ?
Por definição médica, é considerado normal qualquer prática ocorrida entre pessoas adultas, sob o ponto de vista físico e psicológico, na privacidade, com aquiescência mútua e desde que não cause prejuízo físico ou psicológico a nenhum dos dois.
Para uma saudável função sexual temos que estar com as funções orgânicas em perfeito funcionamento e um equilíbrio no sistema endócrino, produzindo os hormônios necessários. A baixa função da Glândula Hipófise pode levar a uma diminuição no desenvolvimento dos órgãos sexuais, a menopausa precoce nas mulheres e a impotência nos homens. As glândulas Supra-Renais apresentando deficiência podem reduzir o desejo e a potência para o sexo e aumentar a sensibilidade ao stress. Certas disfunções da glândula Tireóide podem causar uma perda do desejo ou capacidade para o sexo. No homem, a baixa função testicular reduz o interesse sexual e a produção de esperma. Nas mulheres, baixos níveis de estrogênio reduzem a maturidade sexual, reduz o tamanho das mamas e retarda a maturação dos óvulos. O desequilíbrio entre o estrogênio e a progesterona também pode causar uma série de sintomas relacionados com o desejo sexual.

Para uma relacionamento sexual satisfatório, particularmente as mulheres, necessitam um envolvimento amoroso e ter energia sem estar fatigada, além de um perfeito equilíbrio hormonal que permita emoções prazerosas e um bom nível de relaxamento com um bom desejo sexual. Já os homens, precisam principalmente, de uma boa circulação sangüínea para criar a ereção peniana, vitalidade física e uma boa função hormonal. Entretanto o que mais observo no dia-a-dia do consultório é se apresentarem pessoas de ambos os sexos que parte dessas funções estão adequadas mas o desinteresse sexual é uma constante.

Desde Sigmund Freud a ciência tenta explicar as conexões entre a sexualidade e o bem-estar físico e mental. Quando o pai da psicanálise escreveu seu ensaio sobre ansiedade e neurose, em 1895, dando uma ênfase até então inédita à sexualidade, choveram críticas. Freud achou melhor rebatê-las em um outro artigo, no qual foi ainda mais enfático. Freud escreveu: "Muitas doenças mentais e as fobias, em especial, não ocorrem quando a pessoa leva uma vida sexual normal". Sobre a pedra fundamental das análises de Freud ergueu-se um monumental edifício de estudos da sexualidade e de seu impacto sobre outras dimensões vitais do ser humano. Os médicos investigam com crescente interesse como as carências sexuais podem produzir doenças físicas e psicológicas e, por outro lado, como certas moléstias afetam o desempenho e a satisfação sexual.

Muitos outros fatores, além do stress, insatisfação profissional ou familiar, podem afetar o desejo e a performance sexual. O álcool, o tabagismo, excesso de café, a maconha e a cocaína e até mesmo o açúcar são as “drogas do prazer” que podem reduzir a vitalidade sexual, assim como muitos produtos farmacêuticos, como os tranqüilizantes, anti-hipertensivos, beta-bloqueadores, diuréticos, pílulas anticoncepcionais e alguns hormônios.



Na década de 90, a Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu o sexo na lista dos parâmetros utilizados para definir a qualidade de vida de uma pessoa. Os outros são: capacidade de trabalhar, não depender de ninguém para as tarefas do dia-a-dia e manter um convívio familiar e social satisfatório. O sexo seguro, freqüente e prazeroso, explicam os médicos, pode proteger o coração, evitar a insônia, aliviar o stress, fortalecer o sistema imunológico, combater a ansiedade, regular o humor, emagrecer e até atrasar um pouco o ritmo do envelhecimento.

As delícias (ou não) da alcova repercutem em todas as esferas da vida de uma pessoa. Oito de cada dez brasileiros (homens e mulheres) vítimas de problemas sexuais declaram que suas aflições afetam o trabalho, o convívio com os filhos, as relações sociais, o lazer. Sem contar, obviamente, o desgaste do relacionamento com o parceiro (veja quadro abaixo).



Os homens sentem-se menos homens e as mulheres, menos mulheres. É enorme o abismo que separa os homens com problemas de ereção dos que não têm disfunção alguma. Dos primeiros, 41,6% se declaram satisfeitos consigo próprios. No outro grupo, esse índice sobe para 85,5%.

Com o aumento da expectativa de vida da população, nada mais natural que o sexo de boa qualidade passe a ser uma exigência de homens e mulheres mais maduros. Viver mais significa prolongar os encontros amorosos para além da fase áurea da sexualidade, que vai dos 20 aos 40 anos. Com o passar do tempo, porém, não é fácil manter a libido a mil.

Uma pesquisa mostrou que para a maioria das mulheres entre 18 e 25 anos, a vida sexual mudou para melhor desde a primeira relação. Para quem tinha mais de 46 anos, a mudança foi para pior. Com a chegada da menopausa, há uma queda nos níveis dos hormônios sexuais, o que reduz o aporte de sangue e o tônus muscular da região genital. A vagina fica menos elástica, e a lubrificação do órgão torna-se mais difícil. Conseqüentemente, as respostas às carícias e ao próprio ato sexual já não são tão rápidas nem tão intensas quanto eram na juventude. Uma jovem de 20 anos demora, em média, vinte segundos para sair do patamar do desejo e chegar à excitação. Numa mulher com mais de 50 anos, esse processo leva até três minutos. Com os homens não é diferente. Um mesmo estímulo sexual que, na juventude, saía do cérebro e deixava o pênis ereto em apenas três segundos demora dois minutos para fazer efeito no homem de meia-idade. Com a redução do fluxo sanguíneo para o pênis e a flacidez dos músculos penianos, a ereção torna-se menos potente e o orgasmo, mais difícil.

Cerca de 66% dos brasileiros apresentam, em menor ou maior grau, dificuldade de ereção – e, quanto mais elevada a faixa etária, maiores são a prevalência e a severidade da disfunção.

Geralmente é possível recuperar o fôlego na cama com a adoção de hábitos mais saudáveis – a combinação de uma dieta equilibrada com a prática regular de exercícios físicos. Se não funcionar, a medicina dispõe de uma série de armas capazes de devolver o prazer perdido. Os grandes beneficiados pelas invenções da indústria farmacêutica são os homens.

O marco no tratamento das disfunções sexuais masculinas foi o lançamento, em 1998, da primeira pílula contra disfunção erétil – o Viagra. A ela se seguiram outras (Cialis, Levitra e Uprima, entre as mais conhecidas) que exorcizaram o fantasma da impotência da vida de milhões de homens. Os problemas de ereção passaram a ser tratados de maneira bastante simples. Nada a ver com os dispositivos antigos, como injeções ou bombas a vácuo. Os velhos artifícios, além de aniquilar com o romantismo de qualquer encontro amoroso, afastavam a maioria dos homens dos consultórios médicos. Graças aos remédios orais antiimpotência, nos últimos cinco anos quadruplicou o número de brasileiros que procuram ajuda para seus problemas sexuais.

Das queixas sexuais masculinas, a dificuldade de ter ou manter a ereção é a mais prevalente. Entre os homens mais jovens, especialmente dos 18 aos 25 anos, o grande tormento, porém, é a Ejaculação Precoce – aquela que ocorre menos de dois minutos depois do início do ato sexual. Se não tratada, pode levar à impotência. Suas principais causas são a ansiedade e a insegurança. Por isso, o tratamento-padrão envolve o uso de antidepressivos com sessões de psicoterapia.

Recentemente foi lançado o primeiro medicamento indicado especificamente para o tratamento da Ejaculação Precoce. É a droga de nome químico Dapoxetina, que também é um antidepressivo. A diferença é que, ainda não se sabe exatamente por que, seus efeitos sobre a ejaculação precoce são muito mais rápidos. Os convencionais demoram até dez dias para começar a fazer efeito. A Dapoxetina promete levar, no máximo, quatro horas para chegar aos mesmos resultados.



Informações sobre os efeitos da idade no Pênis

O homem acredita que pode conter as conseqüências do envelhecimento, mas não pode, e, em vez de tentar inibir os efeitos do tempo, deveria se aproveitar deles. Idade é sinônimo de experiência e isso conta muito mais que um pênis infalível para o sexo prazeroso.







Qual foi a última vez que você falhou na cama? Se a resposta demorou para vir à tona, provavelmente você sequer completou 40 anos. Mas se ela veio rápido à sua cabeça, é provável que você já esteja perto dos 50. É difícil admitir, mas dificuldades ocasionais para manter a ereção são consideradas normais após a quarta década de vida e não devem se tornar fonte de frustrações. A flacidez do pênis deve-se principalmente ao desgaste do tendão que liga o órgão ao púbis (osso localizado na região sexual). Com o passar dos anos, o tendão se torna menos elástico e, conseqüentemente, não funciona como deveria todas as vezes que é requisitado. Por mais sexualmente ativo e saudável que o homem seja.

Pelo mesmo motivo, o ângulo das ereções tende a diminuir. Se aos 30 anos o pênis fica 20 graus acima da horizontal quando ereto, aos 70 ele se situa 25 graus abaixo. O tempo entre uma ereção e outra, ao contrário, só aumenta com a idade. Aos 30 anos, é comum ter duas ou três relações sexuais numa noite, com intervalos de 20 ou 30 minutos. Aos 60 anos, muitos só conseguem fazer sexo novamente no dia seguinte. Os médicos afirmam que essas são mudanças naturais e que, portanto, os homens deveriam se preocupar menos com a firmeza do pênis ou a freqüência das relações sexuais e mais com a qualidade do sexo.

O homem acredita que pode conter as conseqüências do envelhecimento, mas não pode, e, em vez de tentar inibir os efeitos do tempo, deveria se aproveitar deles. Idade é sinônimo de experiência e isso conta muito mais que um pênis infalível para o sexo prazeroso.

Uma das evidências de que a eventual flacidez do pênis é natural em homens acima dos 40 anos é que as ereções noturnas também diminuem com o tempo. Enquanto até essa idade elas costumam durar mais de duas horas ao todo, aos 60, elas não passam de uma hora e meia. Os médicos acreditam que as ereções noturnas sejam um mecanismo que a natureza criou para assegurar a procriação. Sabe-se que se o pênis passar meses sem uma ereção, ele torna-se fibroso, correndo o risco de não ficar ereto novamente. As ereções involuntárias, portanto, impediriam que o homem se tornasse impotente antes do tempo. Como após os 40 anos, o homem já teve bastante tempo para procriar a espécie, é natural que a intensidade do mecanismo preventivo reduza.



Caso as falhas na cama se tornem rotineiras, não há motivo para pânico. Até os 60 anos, 90% das causas de impotência sexual são psicológicas e apenas 10% são orgânicas. O estresse do dia dia e a depressão pela proximidade da aposentadoria podem estar atrapalhando o desempenho sexual. O melhor remédio nesses casos é alterar o estilo de vida, estabelecendo uma divisão clara entre trabalho e lazer, e encarar o fim dos dias trabalhados como uma oportunidade de gozar a vida.

A insegurança e o medo de não ser hábil como antes também costumam ocasionar episódios de impotência. Para driblar a ansiedade, nada melhor que prolongar as preliminares. Além de estimular a parceira, os beijos e abraços vão te ajudar a relaxar. A partir dos 60, fatores psicológicos e físicos dividem igualmente as causas da disfunção sexual. Com o avanço da medicina, no entanto, é possível tratar quase 100% dos casos. Para cada perfil de impotência, há um medicamento novo no mercado.

É bom frisar que a dificuldade de ereção não impossibilita o orgasmo ou a ejaculação. Os três fenômenos são independentes. De fato, o número de relações sexuais tende a diminuir com a idade e, com ele, o número de orgasmos. A redução, no entanto, ocorre muito mais em função de um certo desinteresse sexual (afinal, depois de décadas fazendo sexo, isso não é mais novidade) que impossibilidade física. Como acontece com as mulheres, os homens também entram no período do climatério, mas as mudanças são graduais e pouco atrapalham a atividade sexual. A partir dos 40 anos, verifica-se a queda de apenas 1% ao ano da produção de testosterona - as mulheres param de ovular ao atingirem a menopausa -e a qualidade do esperma sofre poucas alterações. Chaplin e Picasso foram pais aos 60 anos.

Os remédios contra a disfunção sexual masculina não melhoraram apenas a vida dos homens com problemas na cama. Provocaram uma reviravolta também na vida de suas companheiras. Elas passaram a cobrar dos parceiros disposição para o sexo. Dos homens em tratamento médico contra disfunções eréteis, por exemplo, 56% foram incentivados por suas mulheres a procurar tratamento. Muitas não se acanham em também buscar ajuda. Há, lógico, as que ainda se ressentem do modo como foram educadas – o prazer sexual visto como sinônimo de pecado, impureza e imoralidade –, mas é cada vez maior a presença feminina nos consultórios de terapeutas e médicos especialistas.

Agora, as mulheres respondem por 1/3 dos atendimentos, sendo que de cada dez brasileiras, cinco têm algum problema sexual e as principais queixas são falta de desejo e dificuldade de chegar ao orgasmo. Até pouco tempo atrás, acreditava-se que os problemas sexuais femininos só poderiam ser resolvidos no divã, mas a sexualidade feminina é muito complexa, tanto que Freud a chamou de "o continente obscuro'".

Ela está mais ligada a fatores psicológicos, sociais e culturais do que a masculina, o que dificulta a criação de medicamentos capazes de dar conta de tantas variantes, mas nos últimos cinco anos, contudo, pesquisas deixaram claro que muitas aflições delas são de ordem orgânica, como a baixa na produção dos hormônios femininos, sobretudo entre as mulheres na pós-menopausa. Nesses casos, pode-se recorrer à terapia de reposição hormonal e uma das frentes mais promissoras para aumentar a libido feminina é o uso de doses extras do hormônio Testosterona (veja quadro abaixo).

Também o uso abusivo de aditivos químicos nos alimentos e a ingestão de carne vermelha e de aves tratadas com abusivamente com hormônios sexuais antes do abate vem provocando nas últimas décadas um progressivo aumento de distúrbios na esfera sexual, tanto masculina quanto feminina, reduzindo o desejo sexual e até a produção e a percepção dos feromônios sexuais, produzidos para agirem no cérebro como estimulantes da atração física entre os sexos.

Os feromônios são substâncias químicas aromáticas que despertam o desejo sexual. Esses afrodisíacos químicos são extremamente potentes e acredita-se que os seres humanos poderiam ter retido alguma capacidade remanescente de responder a estes afrodisíacos aromáticos. Existe um grupo de pequenos receptores nas narinas humanas, chamado Órgão Vômero Nasal, que respondem ativamente a uma grande variedade de substâncias químicas inodoras que são produzidas na pele humana. Quando estes feromônios são inalados, eles têm efeito tranqüilizante e euforizante sutil no humor do indivíduo e isto tem um papel importante nos vínculos humanos. O odor liberado pelos amantes pode ser excitante e bastante prazeroso tanto para o homem como para mulher.

A importância de uma vida nutricional saudável é muito importante para uma boa vitalidade sexual. Exercícios físicos regulares são também muito importantes para reduzir o stress e ansiedade e manter um sistema cardiovascular com boa saúde, entretanto os exercícios em excesso, especialmente nas mulheres, podem reduzir a fertilidade, os níveis hormonais, os ciclos menstruais e o desejo sexual.

Fases da Resposta Sexual

Desejo: Essa fase consiste de fantasia e desejo relacionados a atividade sexual.

Excitação: Caracterizado por sentimento subjetivo de prazer sexual e alterações fisiológicas concomitantes. As principais modificações no homem consistem de tumescência e ereção do pênis e na mulher consistem de aumento de sangue na região pélvica, lubrificação, expansão vaginal e turgescência da genitália externa.

Orgasmo: Este período consiste do clímax de prazer, com liberação da tensão sexual e contração rítmica dos músculos do períneo e órgãos reprodutores. No homem existe sensação de inevitabilidade ejaculatória, seguida de ejaculação. Na mulher ocorre contrações da parede do terço inferior da vagina. Em ambos os sexos o ânus contrai-se ritmicamente.

Resolução: Etapa final que apresenta a sensação de relaxamento muscular e bem estar geral. Durante a mesma os homens são fisiologicamente refratários à outra ereção e orgasmo por período variável. Em contrapartida, as mulheres podem ser capazes de responder a uma estimulação adicional quase que imediata.

Descobrindo a anatomia do orgasmo
Pesquisas pioneiras revelam o que acontece com homens e mulheres no auge do prazer e acenam para a possibilidade de uma pílula do êxtase


Está ocorrendo na Europa uma pesquisa que fará o mapeamento da cascata de sensações verificadas no corpo e na cabeça no ápice do prazer. O método de investigação não poderia ser mais pragmático. No laboratório do holandês Gert Holstege, da Universidade de Groningen, um casal se posiciona sob um relógio digital e o cientista dá a partida: ''Por favor, peço que cheguem ao orgasmo em quatro minutos''. Enquanto a mulher começa a acariciar o parceiro, o cérebro dele é vasculhado por um aparelho de tomografia. A máquina registra as regiões ativadas até que ele atinja o clímax. Em seguida, há uma inversão de funções: o homem estimula sua parceira. Quando a mulher se aproxima do orgasmo, o coração bate mais forte, a pressão arterial sobe, os músculos da bacia e das nádegas se contraem.



O scanner investiga os mínimos detalhes do córtex, a fim de desvendar o segredo que instiga os seres humanos desde que existe o amor: o que acontece quando experimentamos o ápice das sensações? A parafernália de alta tecnologia, que pesa toneladas e custa 3 milhões de euros, revela o que ocorre na cabeça, nos hormônios e em várias partes do organismo (vide abaixo) durante o ato sexual.

A análise do que acontece no cérebro e no corpo durante o sexo pode levar ao surgimento de uma pílula do orgasmo


Ele só pensa naquilo

Pesquisas mostram que homens e mulheres têm áreas diferentes do cérebro ativadas por um estímulo sexual. Nos homens, há altos índices de ativação da amígdala cerebral e do hipotálamo, estruturas que controlam a emoção e a motivação. A mesma cena erótica provoca no cérebro das mulheres outro tipo de reação. Reside aí boa parte das incompreensões e insatisfações mútuas dos casais na cama.



"O cientista que se ocupa da anatomia do orgasmo faz algo de bom para o ser humano'', justifica o Prof. Holstege. Por preconceito ou arrogância, o ponto culminante da paixão e do prazer continua a ser território quase inexplorado para os pesquisadores. Tanto que as inovadoras imagens feitas por Holstege não foram aceitas pelas prestigiadas revistas científicas americanas Nature e Science, sob a alegação de que o material não interessaria aos leitores.

Pela primeira vez, o trabalho revela a assinatura neurológica do êxtase. O computador funciona também como um perfeito detector de mentiras. No orgasmo fingido, as áreas do desejo no cérebro das mulheres permanecem em calma, enquanto os centros de movimento apresentam maior atividade. Os cientistas também conseguiram esclarecer por que as pessoas mergulham em um vale de indolência depois de surfar sobre as ondas do desejo.

''Após o sexo, todos os seres vivos ficam tristes, com exceção do galo e da mulher'', já observava o médico Galeno, no século II a.C.

A responsável por isso parece ser a Prolactina. O hormônio que dispara a produção de leite depois do parto também age como freio do desejo logo após o orgasmo. Será que uma pílula que inibisse a ação da Prolactina poderia ajudar os homens a tornar realidade o sonho de ter orgasmos sucessivos?

O orgasmo é uma coisa do dia-a-dia, assim como o ato de mastigar; infelizmente, conhecemos mais sobre a fisiologia da mastigação que a respeito dos mecanismos do prazer. Do primeiro olhar mais insinuante até a transmissão dos espermatozóides, a natureza compôs uma coreografia para o encontro entre o homem e a mulher. A pressão arterial e a pulsação sobem, o pênis se intumesce, a vagina fica úmida, os pequenos lábios da vulva e o clitóris se expandem.

Quando a dança dos corpos chega perto do gran finale, geralmente o homem é o primeiro a viver seu prazer máximo. A vesícula seminal e a próstata se estreitam ritmicamente. Na hora H, até 240 milhões de espermatozóides são lançados pela uretra com uma velocidade entre 14 e 18 quilômetros por hora. Se a parceira também chega ao clímax nesse mesmo instante - algo que todos desejam, mas não necessariamente conseguem -, a vagina forma uma ''guarnição para o clímax''. Assim como o útero, ela se contrai de cinco até 12 vezes.

Apesar de ter criado esse balé cuidadoso, a natureza não é mestre em sincronização. Segundo vários biólogos, isso explica por que muitos homens chegam esgotados a sua meta enquanto as mulheres ainda estão no meio do caminho. A pressa masculina seria necessidade da reprodução. Segundo essa visão, o orgasmo funcionaria como um prêmio da natureza pelo êxito atingido, para gratificar os praticantes por passarem adiante sua carga genética e garantir a perpetuação da espécie. O risco de fracasso biológico seria alto demais caso as mulheres fossem coroadas em primeiro lugar com os louros do prazer, talvez muitas parceiras simplesmente virassem de lado, satisfeitas, antes que o homem pudesse doar seus espermatozóides.

Em cada um dos sexos, o prazer revela-se de forma diferente. Isso foi constatado de forma inquestionável pelos estudos ainda não publicados de Michael Forsting e Elke Gizewski, do Hospital das Clínicas de Essen, na Alemanha. Doze homens e 12 mulheres permitiram que seu cérebro fosse vasculhado por equipamentos de ressonância magnética enquanto viam alternadamente filmes eróticos e inocentes trabalhos de bricolagem.

A excitação provocada pelas imagens de sexo ativou regiões distintas. Nos homens, brilham áreas cerebrais mais primitivas, existentes também em galos e crocodilos. Nas mulheres, são ativados setores na parte mais nobre do cérebro, responsável pelo pensamento. Isso significa que durante o sexo a parceira age de forma mais racional, enquanto eles só pensam naquilo enquanto os homens seguem mais seu impulso de acasalamento; para as mulheres, a sensualidade é algo mais importante.


Quando nossos antepassados da Idade da Pedra faziam sexo, era importante que ao menos um dos parceiros não se desligasse por completo do mundo exterior e coube à mulher mais essa incumbência. Durante o sexo selvagem ela permanecia alerta para notar a proximidade de um leão ou o sumiço de uma criança.

FLAGRANTE Os cientistas alemães Forsting e Elke inves tigam a atividade cerebral de quem assiste a filmes eróticos



Qual seria, então, a razão biológica do orgasmo feminino? Afinal, para garantir a reprodução, bastaria que a fêmea aceitasse fazer sexo. Acredita-se que uma recompensa, sob a forma do prazer, aumenta a disposição para a repetição do coito e, dessa forma, a chance de gerar descendentes. Além disso, os fisiologistas descobriram que as contrações do colo do útero ocorridas durante o orgasmo transportam os espermatozóides para mais perto dos óvulos. Isso eleva a probabilidade de uma gravidez.

Uma pesquisa realizada pelo Hospital Charité, em Berlim, com 575 participantes entre 18 e 71 anos, revelou que a média de tempo até que seja atingido o orgasmo é de oito minutos. O trabalho também elucidou preferências, concluindo que as mulheres vivem o orgasmo clitoridiano de forma mais intensa, mas ficam sexualmente mais satisfeitas quando também atingem o clímax através da penetração.

MÃE PRIMITIVA
A Vênus de Willendorf(25.000 a.C.) é conhecida como uma das representações mais antigas da fecundidade feminina

Esse prazer anda em falta. Quase metade das mulheres que participaram da pesquisa raramente ou nunca consegue atingir seu ''paraíso sexual'' quando está com seu parceiro. Homens feridos em sua reputação costumam alegar que o orgasmo feminino é algo mais complicado e difícil de ser alcançado. Essa idéia é rejeitada por alguns cientistas que, segundo uma pesquisa com 776 voluntárias, quando a mulher se masturba, quase sempre atinge o orgasmo. Observa-se que muitas mulheres dizem que o sexo lhes dá prazer, mas que seus parceiros ficam muito tristes porque elas não chegam sempre ao orgasmo. Mas isso nem sempre desencadeia um cavalo-de-batalha. Quase metade das mulheres que admitem não chegar ao orgasmo no ato sexual afirma estar ''sexualmente satisfeita'' e nessa amostra, 76% chegaram a dizer que tinham ficado felizes.

Quando é forte a pressão pelo gran finale, muitas parceiras partem para a encenação, e, apenas uma em cada dez mulheres nunca fingiu um orgasmo. A razão da mentira: 41% delas querem agradar ao parceiro, mas por outro lado, uma em cada quatro adota o expediente para abreviar a relação.

É verdade que nem sempre o clímax se assemelha ao estrondo de um trovão acompanhado de uma chuva de estrelas, pois o orgasmo não está atrelado a órgãos específicos e muito menos aos genitais e, o curioso é que, além dos órgãos sexuais primários, quase todas as outras partes do corpo podem suscitar o prazer.

Para algumas pessoas é suficiente estimular os lóbulos das orelhas ou ter os cabelos massageados. Alguns estudos atestam que as mulheres sentem orgasmo apenas com estimulação nos seios (30%) e na boca (20%). Ambos os sexos (25% das mulheres e 21% dos homens) chegaram, pelo menos uma vez, ao sétimo céu do prazer sem nenhum contato corporal. Ou seja, apenas por meio da fantasia, pois prazer e excitação não ocorrem na bacia, e sim entre as duas orelhas.

O cérebro é o órgão de prazer mais poderoso e isso é percebido por qualquer um que, ao menos uma vez na vida, já ficou com o coração saltando pela boca só de pensar na pessoa amada. Conhecer as estruturas cerebrais que participam disso e elucidar suas funções é fundamental para o desenvolvimento de terapias e medicamentos para melhorar a qualidade da vida sexual e tratar transtornos psiquiátricos ligados ao sexo, como a pedofilia. Nesse contexto, as pesquisas européias representam a luz contra as trevas. Os estudos feitos sobre orgasmo na Europa, financiados com dinheiro público, seriam inimagináveis nos Estados Unidos, onde a influência dos conservadores é fortíssima.

PUDOR

Entre as brasileiras, 31% nunca se masturbaram na vida. Entre os homens, o índice cai para 3%

O direito ao sexo prazeroso deveria ser encarado como uma questão de saúde pública, passível de financiamento para pesquisas e desenvolvimento de novas terapias. Já se sabe, por exemplo, que a substância Cabergolina - usada no tratamento do mal de Parkinson ou para interromper a produção de leite - aumenta o desejo e propicia um orgasmo mais intenso. Também a Bupropiona, uma droga anti-depressiva que vinha sendo utilizada no combate ao tabagismo e que demonstrou ser a mais moderna escolha no tratamento do desinteresse sexual em mulheres, estimulando a libido, provocando sonhos eróticos e proporcionando na maioria das que usaram, orgasmos intensos. É utilizada somente sob prescrição médica e não tem ação em homens. Ao mesmo tempo, um controverso adesivo de testosterona que promete aumentar o apetite sexual das mulheres está sendo analisado pela FDA (Agência reguladora de medicamentos e alimentos nos Estados Unidos) Os especialistas alertam que a administração prolongada do medicamento pode ser prejudicial ao organismo, mas de qualquer maneira, as pesquisas já comprovaram que sexo de qualidade faz bem ao coração, tonifica os músculos, melhora o sistema imunológico - e, sem dúvida, o humor de qualquer um.




Novo método promete medir desejo sexual

Técnica pode ajudar a tratar pessoas com perda de libido

Pesquisadores israelenses estão convencidos de ter desenvolvido o primeiro método para medir a intensidade do desejo sexual de uma pessoa. A técnica foi baseada na análise da medição de alterações em ondas cerebrais de pessoas que assistiam a um filme erótico. Segundo os cientistas, esse é o primeiro método quantitativo para medir a libido. Mais do que mera curiosidade, ele poderia ser usado para avaliar efeitos de novos medicamentos sobre o desejo sexual.

Outra aplicação seria a avaliação de danos à libido causados por acidentes e derrames, por exemplo. O coordenador da pesquisa, Yoram Vardi, do Hospital Rambam e do Instituto Technion, em Haifa, Israel, explicou que sua técnica mede, primariamente, o nível de atenção de uma pessoa durante cenas eróticas, mais do que especificamente o desejo sexual. Todavia, segundo ele, o estímulo sexual estaria diretamente ligado à atenção, o que validaria o método..

Por enquanto, a técnica foi testada em apenas 30 pessoas. Como os resultados foram considerados promissores, os pesquisadores esperam experimentá-la num grupo maior de voluntários. Tendo êxito, poderão pensar num uso regular. Mas, ainda é cedo para saber se será possível estabelecer uma espécie de escala do desejo sexual.

Os cientistas analisaram alterações em ondas cerebrais chamadas p300. Elas são produzidas menos de um segundo após um evento. São a resposta do cérebro a estímulos.






O que acontece no corpo na hora do orgasmo


EXCITAÇÃO

Cérebro
Áreas responsáveis por sensações de felicidade e outras emoções são ativadas
Setores responsáveis pela memória, atenção e pelo pensamento lógico são reprimidos
O poder da paixão
Apenas o fato de olhar para o parceiro excita no cérebro de homens e mulheres centros nervosos que também são ativados pela satisfação provocada por drogas, como a cocaína. Setores responsáveis pelo raciocínio crítico ou pelo medo são desativados

Hormônios
O motor da testosterona
O desejo masculino é fortemente influenciado pelo nível de testosterona. Mas a alta concentração de testosterona nem sempre significa libido elevada. A relação exata que existe entre esses dois fatores ainda é incerta

Pulsão sexual e desejo
O hormônio feminino estrógeno não exerce grande influência sobre o desejo da mulher. Enquanto isso, ter uma boa carga de testosterona circulando no corpo feminino implica intensa atividade sexual

Corpo
Calor no abdome, o pênis aumenta e fica ereto. A pressão arterial, a pulsação e a freqüência respiratória são elevadas e a atenção diminui

A pulsação e a pressão arterial sobem. A vagina fica úmida e se amplia, assim como o clitóris. Os mamilos crescem até 1 centímetro




FASE PLATÔ
Cérebro
Nos homens são ativados grandes centros nervosos na área do sistema límbico
Quando estimuladas, as mulheres reagem de forma muito menos emotiva
Só pensam naquilo
Nos homens são acionadas regiões primitivas do cérebro. Eles agem, durante o sexo, de maneira extremamente impulsiva

Com os pés no chão
Nas mulheres, as emoções não entram em ação. É ativada principalmente a área responsável pela razão

Hormônios
Homens e mulheres
Apresentam as mesmas mudanças hormonais. Aumenta fortemente a concentração de adrenalina e noradrenalina

O mistério da Oxitocina
O efeito desse hormônio é polêmico. Em alguns homens, os pesquisadores observaram uma clara elevação junto com o orgasmo - entre 20% e 360%. Mas a ação da substância no organismo não está clara. A suposição é que a Oxitocina estaria envolvida em contrações de partes dos órgãos reprodutivos femininos e masculinos durante o orgasmo

Corpo
Flush sexual O rosto, o peito, a barriga e os ombros ficam avermelhados. A pressão arterial, a pulsação e a freqüência respiratória continuam a subir. Há um aumento da tensão muscular

Ocorre um evidente inchaço nos seios e aumenta a circulação sanguínea nas coxas, nádegas e costas. Ocorre superventilação. A freqüência cardíaca vai de 110 a 180 batidas por minuto




ORGASMO
Cérebro
CLÍMAX Os campos ativados comandam reflexos essenciais,
como a ejaculação
Assinatura do êxtase
Grande atividade na área relacionada ao sistema de recompensa. Ocorre um bloqueio no cérebro, na região responsável pelo medo, a amígdala (cerebral).

Prazer verdadeiro
Atividade cerebral semelhante à dos homens. O sistema de alerta trabalha mais

Orgasmo fingido (ver quadro abaixo)
Em comparação ao verdadeiro, os centros motores do cérebro são mais ativados

Hormônios
Imediatamente depois do orgasmo, há uma grande elevação do nível do hormônio de produção de leite, a Prolactina, tanto nos homens como nas mulheres. Isso tem o efeito de um freio sexual

Corpo
A atenção fica extremamente reduzida e a ereção mais vigorosa. O escroto aumenta. A vesícula seminal, os dutos e a próstata contraem-se ritmicamente. Ocorre a ejaculação do esperma

Guarnição orgástica
O terço dianteiro da vagina se afunila e se contrai de cinco até 15 vezes. Ocorrem também inúmeras contrações em regiões como nádegas, mãos, pés e rosto



DISTENÇÃO
Cérebro
Descanso em vez de desejo
Depois do clímax, o cérebro relaxa até o adormecimento

Hormônios
O nível de Prolactina permanece elevado até uma hora depois do orgasmo. Nos homens, o hormônio aniquila o desejo e desencadeia a preguiça. Por que as mulheres conseguem ter outros orgasmos pouco tempo depois ainda é um mistério

O esperma parece ter um efeito estimulador. Ele contém vários hormônios: testosterona, estrógeno, Prostaglandina e Prolactina. Essas substâncias podem passar pela vagina e outras mucosas e cair na circulação sanguínea

Corpo
A ereção do pênis diminui instantaneamente, a respiração e a pulsação se normalizam. Dependendo da idade, o homem perde a capacidade de ficar excitado durante um certo período
Depois do orgasmo, a mulher volta a estar sexualmente excitável. Se ela não reiniciar o sexo, a respiração se normaliza e o inchaço da vagina e dos lábios da vulva retrocede


Uma em cada quatro mulheres não atingem o orgasmo


Quem enxerga o Brasil como uma espécie de paraíso sexual precisa rever seus conceitos. Uma em cada quatro brasileiras (26%) não tem orgasmo com seu atual parceiro, revela uma pesquisa realizada pelo Projeto Sexualidade, da Universidade de São Paulo, com 7 mil pessoas de ambos os sexos. Muitas jovens não atingem o clímax por inexperiência e fatores emocionais, como uma educação rígida que condene o prazer sexual. Nas mais velhas, as dificuldades estão em geral relacionadas a disfunções físicas. Em um outro estudo feito com 98 mulheres em um hospital no Rio de Janeiro, apurou que 42% delas não tinham orgasmo, e, quando se investigou as causas, descobriu-se um dado interessante: 30% das mulheres não chegavam ao clímax por um problema sexual do parceiro, como disfunção erétil ou ejaculação precoce. Além das dificuldades masculinas e dos tradicionais inimigos do orgasmo - stress, cansaço e rotina entediante -, as mulheres enfrentam um tabu que os homens já superaram, pois a mulher que se masturba tem intimidade com o corpo e chega ao orgasmo com mais facilidade, mesmo na relação sexual.

POUCO PRAZER

Metade das mulheres tem dificuldades na cama, como dor, falta de desejo e orgasmos raríssimos



A pesquisa da USP revela um dado alarmante: 31% das mulheres nunca se tocaram na vida. Já entre as que se masturbam, praticamente todas atingem o clímax.

Os homens brasileiros têm mais orgasmos que as mulheres - para eles, é dez vezes mais fácil chegar ao ápice -, mas lidam com outros problemas: 48% têm disfunções sexuais que vão de dificuldades de ereção até ejaculação precoce. Os brasileiros são excessivamente preocupados com desempenho, pois alguns homens costumam a procurar um Médico até mesmo preocupados com o volume de esperma ejaculado, visto como símbolo de virilidade. A ejaculação é um fenômeno independente do orgasmo, o que muitos não sabem. O homem pode chegar ao clímax sem expelir esperma, sobretudo se for diabético ou tiver passado por uma cirurgia de próstata e o contrário também pode ocorrer, mas é menos comum, mas quando o homem perde a concentração ou fica tenso, o homem pode ejacular sem ter prazer.

Não adianta fingir

As contrações características do orgasmo duram de poucos segundos a um minuto, no máximo, mas são acompanhadas por intensas mudanças fisiológicas e sinais visíveis no corpo


Uma emoção forte toma conta dos parceiros. Um misto de bem-estar e relaxamento tira o casal temporariamente da realidade

Os músculos se contraem involuntariamente
A pulsação acelera

O coração acelera
Nos homens, os dedões dos pés endurecem e os dedinhos ficam retorcidos
Os pés de ambos os parceiros ficam arqueados e estremecem
Os parceiros se apertam fortemente durante um intervalo de 0,8 segundo durante o pico de prazer

Os genitais incham devido ao fluxo de sangue
Muitas mulheres dobram os dedos dos pés
Homens e mulheres podem ter acesso de riso ou de choro e ficar sensíveis a cócegas (nos homens, essas reações são menos comuns)
Em algumas pessoas, a boca se abre, em outras, a face se contorce
A respiração fica rápida e curta
A narina de ambos os parceiros fica dilatada
Os dois sexos podem experimentar um súbito insight criativo, pois o orgasmo produz atividade na região cerebral ligada à criatividade
Após o orgasmo é comum um prolongado período de exaustão e sono
Como atingir o orgasmo
TREINAMENTO SEXUAL

Não pressione o(a) parceiro(a) a ter orgasmo

A pressão pelo prazer, com expressões do tipo ''Foi bom pra você?'', arruina as relações. Quem não consegue sentir orgasmo com o parceiro sente raiva, frustração e vergonha. A tensão transforma o sexo em uma prática pesada. Quanto mais stress houver na busca pelo ápice, menor a chance de alcançá-lo

Relaxe e goze

O melhor é esquecer que chegar ao orgasmo é o objetivo central do sexo. Tentar alcançá-lo a qualquer preço e em pouco tempo estressa qualquer um. O importante é relaxar e aproveitar o sexo. O orgasmo é decorrência da prática e da capacidade de perceber o que lhe dá prazer.

Caia nas brincadeiras de amor

Sexo só faz sentido se for leve e divertido. Tudo o que causa mal-estar ou pressão deve ser evitado. Distribuir velas ao redor da cama, colocar champanhe sobre o criado-mudo e vestir aquela lingerie de oncinha pode ser algo muito sedutor, mas também pode elevar muito a expectativa (e a responsabilidade) do(a) parceiro(a).

Experimentar, experimentar, experimentar

Pressão não faz bem a ninguém, mas é importante perseguir o objetivo de alguma hora chegar ao orgasmo, de forma paciente e obstinada. Quando não existe uma razão fisiológica que explique a dificuldade de ''chegar lá'', qualquer um pode treinar sua capacidade de atingir o orgasmo.



O Clitóris

Esse desconhecido para muitas pessoas


A natureza fez com que o orgasmo feminino não tivesse de acontecer forçosamente durante a penetração, caso contrário, o clitóris estaria dentro da vagina. O único órgão do corpo humano que não serve para mais nada além de proporcionar prazer é maior e tem mais ramificações nervosas do que se supunha. Possui 8 mil terminais nervosos - o dobro do que existe no pênis.

O homem ocidental médio é ainda ignorante em relação ao Clitóris, pois ele não sabe o que é, onde fica ou o que fazer com ele.A ignorância se manifesta até na pronúncia errada. Tem muita gente boa por aí dizendo CLÍtoris, como se a palavra fosse proparoxítona. A pronúncia correta é cliTÓris.

O Clitóris é uma protuberância situada no topo dos pequenos lábios da vagina, extremamente sensível e erétil. Normalmente se esconde sob um capuz de pele mas quando excitado pode aumentar em até três vezes o seu tamanho.

Do ponto de vista biológico, o Clitóris é diretamente equivalente ao pênis, possuindo inclusive uma glande. De fato, nos primeiros meses após a concepção, a genitália dos fetos feminino e masculino parece ser idêntica. Segundo o Relatório Hite, a maioria das mulheres se masturba manipulando o clitóris e, às vezes, os mamilos e apenas 5% das mulheres introduzem coisas na vagina quando se masturbam.

Um estudo realizado nos Estados Unidos em 1960, com um grupo de mulheres de 19 a 32 anos selecionadas ao acaso, revelou que o tamanho médio do Clitóris em ereção é de 1,9 cm. Nesse grupo, 75% das mulheres possuia um Clitóris entre 0,8 e 3,0 cm de comprimento quando excitado e o maior Clitóris registrado nesse estudo tinha 3,6 cm.

Outro estudo realizado em um hospital americano, com pessoas de 1 a 91 anos, revelou que o Clitóris aumenta de tamanho à medida em que a mulher vai envelhecendo, sendo que o maior aumento de tamanho ocorre entre os 15 e os 19 anos, e depois entre os 20 e os 32 anos. Livros médicos bem atuais mencionam um tamanho médio de 2.5 cm a 4,0 cm de comprimento para mulheres de 20 a 30 anos. Convém também saber que Clitóris grande não têm nada a ver com hermafroditismo nem com a preferência sexual da mulher.

Mas isso é apenas a ponta do iceberg: a parte escondida, a que fica dentro do corpo, tem em média 9 cm de comprimento e cerca de 8.000 terminais nervosos (o pênis tem só a metade disso). Por isso, o Clitóris é um órgão extremamente sensível.


Transtornos da Resposta Sexual



Os transtornos da resposta sexual podem ocorrer em uma ou mais destas fases. Sempre que mais de uma disfunção sexual estiver presente, todas são registradas. Este julgamento deve ser feito pelo Médico, levando em consideração fatores tais como: a idade e experiência do indivíduo, freqüência e cronicidade do sintoma, sofrimento subjetivo e efeito sobre outras áreas do funcionamento.

Transtorno do Desejo Sexual Hipoativo: as fantasias sexuais e o desejo de atividade sexual persistente deficiente (ou ausente). O julgamento de deficiência ou ausência é feito pelo Médico, levando em conta fatores que afetam o funcionamento sexual tais como a idade e o contexto da vida da pessoa.

Transtorno de Aversão Sexual: aversão extrema persistente para evitar todo (quase todo) contato sexual genital com um parceiro sexual.

Transtorno Orgástico Feminino: atraso ou ausência persistente ou recorrente do orgasmo. Após uma fase normal de excitação sexual.

Dispauremia: dor genital recorrente ou persistente associada com o ato sexual, não devida a uma condição médica geral

Vaginismo: contração (em espasmo) involuntária, recorrente ou persistente da musculatura do terço inferior da vagina que interfere no ato sexual, não devido à condição médica geral.

Classificação dos Transtornos Sexuais

As disfunções sexuais podem ser divididas em subtipos em relação à natureza do início da disfunção sexual e em relação ao contexto no qual essa disfunção ocorre.

Quanto à natureza do início da disfunção sexual ela pode ser :

Tipo ao longo da vida: quando presente desde o inicio da vida sexual.

Tipo adquirido: disfunção se desenvolve apenas após período de função sexual normal.

Quanto ao contexto no qual a disfunção sexual ocorre, pode ser:

Tipo generalizado: quando a disfunção sexual não está limitada a certo tipo de estimulação, situações ou parceiros.

Tipo situacional: quando a disfunção sexual está limitada a certos tipos de estimulação, situações e parceiros. Embora na maior parte dos casos as disfunções ocorrem durante a atividade sexual com um(a) parceiro(a), em alguns casos, pode ser apropriado identificar disfunções que ocorrem durante a masturbação.

Outros subtipos podem ser usados para indicar os fatores etiológicos associados com a disfunção:

Fatores psicológicos: quando existem fatores psicológicos que desempenham papel importante no início, gravidade, exacerbação ou manutenção da disfunção sexual e sem causas orgânicas.

Fatores combinados: quando fatores psicológicos supostamente desempenham papel no início, gravidade, exacerbação ou manutenção da disfunção sexual e existe uma condição médica geral ou uso de medicamento.

Tratamentos dos Transtornos da Resposta Sexual

Recentemente cientistas italianos publicaram um artigo na revista científica New Scientist em Londres, que medicamentos para incrementar o prazer sexual e o orgasmo podem ser mais eficientes em mulheres que tenham o Ponto G grande.

A zona erógena conhecida como ponto G, localizada no interior da vagina, ficou famosa por produzir intensos orgasmos. Nela encontram-se as glândulas de Skene, que segregam uma enzima chamada PDE5 (Fosfodisterase-5), que atua na excitação feminina e já foi relacionada à sexualidade masculina.

Se as glândulas de Skene são grandes e há suficiente secreção de PDE5, é possível que medicamentos semelhante ao Sildenafil (utilizado na Disfunção Erétil masculina), para as mulheres com Ponto G pequeno e para as que não o possuem, esses remédios teriam algum efeito, já que a PDE5 também é encontrada no clitóris.

De acordo com as estimativas, 30% das mulheres não têm orgasmo durante a relação sexual. O ponto G recebeu este nome em referência ao cientista Ernest Grafenberg, o primeiro a falar sobre a região, em 1950.

Stress e Sexo

Sexo cura

Pesquisa britânica informa: além do prazer, ele atenua o stress e ajuda a diminuir a pressão arterial

Como se não bastassem os benefícios óbvios, estudiosos descobriram que sexo é bom remédio para alguns males. Pesquisa da
universidade britânica de Paisley com 46 voluntários revelou que o ato sexual ajuda a diminuir a pressão arterial e a atenuar o nervosismo, o stress e a ansiedade. Eles registraram em diários as suas experiências sexuais e tiveram a pressão monitorada. Depois, passaram por situações de stress como fazer conta de cabeça e falar em público. Quem fez sexo com penetração ficou menos estressado em público e recuperou os índices normais de pressão sangüínea mais rápido do que quem se masturbou ou fez sexo sem penetração. O efeito calmante estaria relacionado ao estímulo de nervos durante o ato, entre eles o vago, que influencia os processos psicológicos. A liberação do hormônio oxitocina, ligado à atração, também contribuiria para os resultados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário